9 nov 2019 - 2 fev 2020

Curadoria Franklin Espath Pedroso
Lei de Incentivo à Cultura
Mantenedores do MAM Rio: Ternium e Petrobras
Apoio: IED Rio

Força Precisão Leveza – aço e criação artística

A transformação é inerente a todas as ações e coisas da vida. Tudo se transforma. Nada é permanente. Tudo está sempre em perpétua mutação, desde os seres vivos aos minerais e objetos inanimados, apenas ilusoriamente imutáveis. A vida é permanente evolução, transmutação, sublimação, da matéria-prima ao produto final, da criança ao adulto com o pleno domínio das suas potencialidades.

Foi com essa visão que propomos agora ao público uma referência ao processo de transformação de materiais brutos como o minério de ferro e o carvão em aço, que, entre milhares de outras utilizações, também pode se converter em obra de arte. E, como todos sabemos, nada transforma mais do que a arte. A arte transforma a vida e transforma o público, que por sua vez também transforma a obra de arte, que só adquire sua plena significação em virtude dessa interação com o espectador.

Para ilustrar esse caráter transformador da arte, selecionamos trabalhos de apenas três artistas. Três grandes nomes da história da arte brasileira com diferentes técnicas e resultados bastante distintos: Amilcar de Castro, Franz Weissmann e Waltercio Caldas.

Amilcar de Castro quase sempre utiliza placas densas e grossas de aço e simplesmente as dobra com tamanha suavidade como se fossem simples folhas de papel. Ele apenas faz incisões como se fossem linhas e dobra o aço. Com essas incisões cria os espaços vazios que às vezes o olho comum não é capaz de perceber em um primeiro instante. Faz isso em diferentes escalas e nas formas as mais diversas. Peças de grandes dimensões, suas obras pesam toneladas, mas apresentam uma primorosa combinação de força e leveza.

Franz Weissmann, por seu lado, costuma trabalhar com placas de aço mais finas, mas nem por isso com menor força. Só que ele corta e as une com solda. São milhares de combinações num grande jogo de encaixes e repetições. Weissmann foi um dos grandes nomes do projeto construtivo brasileiro e sua obra é uma referência para muitos. Com frequência ele emprega cores em suas obras. E quase sempre cores vivas, como vermelho, laranja, amarelo, azul. Ou, em outros casos, apenas o preto e até mesmo somente a fina camada de ferrugem do aço.

Já as obras de aço de Waltercio Caldas são sempre muito bem polidas e de grande precisão. Muitas vezes ele as combina com outros elementos que aparentemente são opostos ao aço: um simples fio de lã ou algodão ou até mesmo o vidro. Meticulosamente planejadas e executadas, suas obras expõem bem sua narrativa poética. São excepcionais, de pura harmonia e plenas de significados. Obras que espelham admiravelmente bem o conceito norteador desta mostra: força, precisão e leveza.

Vale lembrar que todas as obras aqui reunidas tiveram origem naqueles elementos brutos e primários que, submetidos à ação transformadora da ciência e da indústria, resultaram em um elemento chamado aço, ao qual cada um desses três artistas conferiu nova e diferente significação através de seus respectivos processos criativos. Nada é permanente; tudo se transforma. E mesmo o resultado desses processos está fadado a se transformar. Não somente física ou intelectualmente, como também conceitual e até mesmo espiritualmente. A única certeza permanente que a vida nos oferece é a de que tudo muda, tudo se transforma, sempre e sempre, contínua e interminavelmente.

Franklin Espath Pedroso
curador

Artistas na exposição

Amilcar de Castro

Amilcar Augusto Pereira de Castro nasceu em Paraisópolis, Minas Gerais, em 1920.

Foi escultor, gravador, desenhista, diagramador, cenógrafo e professor. Em 1935 muda-se com seus pais para Belo Horizonte, onde frequenta a Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), de 1941 a 1945. Passa a fazer, em 1944, o curso livre de desenho e pintura com Alberto da Veiga Guignard. Estuda escultura figurativa com Franz Weissmann na Escola de Belas Artes de Belo Horizonte. Mais tarde os dois se tornariam integrantes do movimento neoconcreto. No fim da década de 1940 começa a se dedicar à escultura. Muda-se para o Rio de Janeiro em 1952 e trabalha como diagramador em diversos periódicos. Vale ressaltar sua reforma gráfica do Jornal do Brasil, revolucionando o design e a diagramação em jornais de todo o país.

Em 1951 é realizada a 1ª Bienal Internacional de São Paulo e aí conhece a obra do suíço Max Bill, que ganhou o primeiro prêmio. Na Bienal seguinte apresenta sua primeira escultura construtiva.

No ano de 1956 participa de exposições do grupo concretista, no Rio de Janeiro e em São Paulo. Em 1959 assina o Manifesto Neoconcreto com Lygia Clark, Lygia Pape, Ferreira Gullar, Franz Weissmann, Reynaldo Jardim e Theon Spanudis.

Ao receber a bolsa de estudo da Guggenheim Memorial Foundation e o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM) de 1967, Amilcar embarca com a esposa e filhos para os Estados Unidos no ano seguinte. Três anos mais tarde, volta para Belo Horizonte e leciona na Escola Guignard e na Faculdade de Belas Artes da UFMG. Ao aposentar-se em 1990, passa a dedicar seu tempo totalmente ao seu trabalho como artista. Morre em Belo Horizonte, em 2002.

Franz Weissmann

Franz Josef Weissmann nasceu em Knittelfeld, Áustria, em 1911.

Veio para o Brasil em 1921 com a família e passam a viver no interior de São Paulo e posteriormente na capital. Em 1929 vai para o Rio de Janeiro e prepara-se para a Escola Politécnica, mas decide frequentar a Escola Nacional de Belas Artes, onde estuda arquitetura, escultura, pintura e desenho. Abandona o curso e começa a estudar desenho, escultura, modelagem e fundição com August Zamoyski. Em 1945 vai para Belo Horizonte, onde permanece até 1956. No início, dava aulas particulares de desenho e escultura. Em 1948 é convidado por Alberto da Veiga Guignard a lecionar na Escola do Parque (mais tarde Escola Guignard).

Na década de 1950, suas obras passam a ter um caráter construtivista. Em 1955, ao lado de artistas como Eric Baruch, Ivan Serpa, Aluísio Carvão, Abraham Palatnik, Lygia Pape, Décio Vieira, Lygia Clark, Vincent Iberson, João José da Silva Costa, Carlos Val, Rubem Ludolf, César Oiticica, Hélio Oiticica e Elisa Martins da Silveira, participa da fundação do Grupo Frente no Rio de Janeiro, considerado um marco no movimento construtivo brasileiro. Em 1956 muda-se com a família para o Rio de Janeiro. Integra a Exposição Nacional de Arte Concreta em 1957 e dois anos mais tarde o Grupo Neoconcreto. Em 1959 viaja para o exterior onde permanece até 1965. Passa pela Europa e pelo Extremo Oriente, fixando residência por períodos em Roma e Madri.  Nos anos 1960, sua obra adere ao movimento informal, mas retorna em seguida para a vertente construtiva. A partir daí participa de grandes mostras e recebe vários prêmios no Brasil e no exterior. Realiza diversas obras monumentais para espaços públicos em várias cidades. Falece no Rio de Janeiro em 2005.

Waltercio Caldas

Waltercio Caldas nasceu no Rio de Janeiro em 1946.

Começa a se interessar por arte no início dos anos 1960 e de pronto passa a frequentar aulas com o artista Ivan Serpa no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Em 1965, faz a capa para o livro A Amazônia e a cobiça internacional de Arthur Cezar Ferreira Reis, pela Editora Edinova. Logo depois passa a trabalhar como desenhista e diagramador. Com projetos arquitetônicos improváveis, realiza sua primeira individual em 1967 na Galeria Gead, no Rio de Janeiro. Em 1970 cria os cenários para a peça A lição de Eugène Ionesco, no Conservatório Nacional do Teatro do Rio de Janeiro, dirigida por Ronaldo Tapajós. Em 1973, realiza sua primeira individual no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro com a série Condutores de percepção e recebe o Prêmio Anual de Viagem da Associação Brasileira de Críticos de Arte. Em 1975 realiza individual intitulada “A natureza dos jogos”, no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand a convite de seu diretor Pietro Maria Bardi, e expõe mais de cem obras entre desenhos, fotografias e objetos. Em 1979 publica seu livro Aparelhos, no qual apresenta uma série de obras realizadas entre 1967 e 1978. Um verdadeiro livro de artista, pois sua programação visual difere das publicações tradicionais. Nos anos 1980 produz diversas instalações e objetos. Participa de bienais e importantes exposições no Brasil e no exterior. Em 1986 realiza o vídeo Apaga-te Sésamo com um resumo de seu trabalho artístico e com direção do artista Miguel Rio Branco. Produz diversas obras em espaços públicos, com destaque para a obra Escultura para o Rio em 1996 e que foi retirada em 2015 para as obras da construção do VLT. Em 2019, a obra é recomposta nas esquinas das Avenidas Presidente Antônio Carlos e Beira Mar, no Centro do Rio. Em 2018 atua como um dos sete artistas-curadores para a 33ª Bienal Internacional de São Paulo e projeta um espaço onde confronta sua própria obra com diversos outros artistas. Waltercio Caldas é considerado um dos maiores nomes da arte brasileira contemporânea. Recebeu importantíssimos prêmios no Brasil e no exterior. Hoje vive e trabalha no Rio de Janeiro.

 

Ao acolher a exposição “Força Precisão Leveza – aço e criação artística”, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro celebra o ingresso da Ternium como sua mantenedora, ocorrido nos últimos dias de 2018.

A exposição foi concebida pelo curador Franklin Espath Pedroso, com base em três dos mais relevantes nomes da escultura brasileira, cujas obras floresceram a partir da segunda metade do século XX, na cidade do Rio de Janeiro. Apresenta ao público visitante uma seleção de 28 esculturas produzidas em aço por Amilcar de Castro (MG, 1920–2002), Franz Weissmann (Áustria, 1911–2000) e Waltercio Caldas (RJ, 1946), cujo foco incide sobre o uso poético de um material tradicionalmente ligado à produção industrial.

Maior produtora de aço da América Latina, a Ternium opera, desde 2016, na cidade do Rio de Janeiro, sua maior unidade operacional, gerando mais de nove mil empregos e promovendo ações e projetos sociais no seu entorno. Com o desejo de apoiar, de modo mais amplo, a cultura da cidade que a acolheu, escolheu o MAM como canal dessa interação.

Seu ingresso como mantenedora do Museu é de vital importância não só para a atualização do papel de ponta desempenhado pelo MAM ao longo de seus 71 anos de existência, como reciprocamente, ajudará à Ternium a expandir sua presença pública, no coração da capital fluminense.

Paulo Albert Weyland Vieira Diretor de Relações Institucionais
Henrique J. Chamhum Diretor Executivo

 

Ternium investe e acredita no poder transformador da educação e da cultura. Temos o compromisso social de compartilhar conhecimento, incentivar a educação e valorizar a diversidade cultural, nos países em que atuamos.

Somos a maior produtora de aço da América Latina e para nós é um grande orgulho trazer uma mostra sobre o aço. Somos marcados pela transformação, do início ao fim de nosso processo produtivo. Criamos e desenvolvemos o aço que faz o mundo evoluir: automóveis, navios, eletrodomésticos, utensílios, foguetes. Para onde olhamos, tem aço e, agora, aqui nesses salões passamos por mais uma transformação. Vemos o aço virar arte nas mãos desses três extraordinários artistas brasileiros.

Estamos presentes em seis países das Américas e por onde passamos, seguimos com um lema: indústria e comunidade devem crescer juntas. Investimentos em projetos de educação, esportes, cultura e capacitação profissional para desenvolver a comunidade onde está a nossa operação industrial. Tudo isso alinhado ao forte compromisso ambiental inerente ao nosso grupo e seguimos em frente, trabalhando, incansavelmente, para sermos cada vez mais sustentáveis.

Ser mantenedora do MAM e patrocinar esta exposição é, sem dúvida, uma honra e uma oportunidade de seguir contribuindo com a cultura. Trabalhamos para reduzir distâncias, ampliar os acessos e aproximar sempre e mais a sociedade de espaços culturais.

Boa exposição e bem-vindos ao incrível mundo do aço.


  Av. Infante Dom Henrique, 85
Parque do Flamengo - Rio de Janeiro

  (21) 3883-5600

  atendimento@mamrio.org.br