Novembro 2020



ZONA ABERTA

Pilotis do MAM
Zona Aberta é um ateliê móvel, que propõe atividades e práticas artístico-pedagógicas nos jardins e demais áreas externas do MAM Rio. Visa a integração e participação de grupos e pessoas que frequentam o Aterro do Flamengo, a partir de diferentes formas de vivenciar, conviver e se apropriar do museu.

SÁB 14 – 14h às 16h

Aula: Modelo Vivo em Movimento, com Robnei Bonifácio

Conceitos básicos podem ser compreendidos rapidamente quando o ambiente favorece o desenho. Todos estão convidados a usar material gráfico e desenhar situações típicas dos Jardins do MAM: pessoas de bicicleta, patins ou fazendo piquenique. Corpos e velocidades diferentes podem conduzir à fluidez dos gestos.

Duas sessões. 10 vagas cada. Inscrições no local, 30 minutos antes da aula.

SÁB 28 – 14h às 16h

Ação: Como iniciar um mapa, com Prili, Daniel Bruno e Antonio Amador

O espaço ao redor do MAM Rio guarda diversas paisagens, texturas, sons e serve de espaço para diferentes pessoas praticarem inúmeras atividades. Nesta ação, mapearemos de maneira colaborativa elementos fixos – ou não, de maneira viva no entorno do museu. Trabalharemos com materiais de desenho, um mapa e algumas pistas para sugerir ideias e despertar curiosidades. Faixa etária: a partir de 7 anos.


MAM PARA EDUCADORES

Curso: Como descolonizar o currículo a partir de olhares negros?

23, 24 e 30 NOV – das 19h às 21h
Plataforma: Zoom
95 vagas: 95
Inscrições: https://bit.ly/mamrio-curso-novembro
Grátis

MAM para educadores oferece cursos que abordam a transversalidade das áreas de educação, arte e cultura, a partir das coleções, exposições e acervos do MAM. O intuito é estreitar os laços entre o museu e a escola, e colaborar com a formação continuada dos profissionais da educação.  

No mês da Consciência Negra convidamos artistas, pesquisadores e educadores para um diálogo a partir das questões: É possível descolonizar o currículo, a partir de práticas e olhares negros? Como instaurar questionamentos e ações que apresentam a perspectiva negra como base epistemológica para a arte e a educação? Nosso objetivo é que as trocas e debates instaurados pelo curso contribuam com a construção de currículos que tenham como premissa o antirracismo e a descolonização do saber.

Aula 1 – SEG 23 NOV 

Com Wanderson Flor do Nascimento, professor de Filosofia da Universidade de Brasília. Pesquisa filosofias africanas, relações raciais e tradições brasileiras de matrizes africanas. Trabalha com formação docente. É autor do livro Entre apostas e heranças: contornos africanos e afro-brasileiros na educação e no ensino de filosofia no Brasil (NEFI Edições, 2020). 

Aula 2 – TER 24 NOV 

Com Andreza Jorge, artista e ativista que atua com projetos sociais voltados para as discussões sobre gênero, diversidade e sexualidade. É licenciada em Dança pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mestre em Relações Étnico- Raciais pelo CEFET-RJ e doutoranda em Artes da Cena pela UFRJ. É co-idealizadora do Mulheres Ao Vento, um projeto de dança para mulheres na Maré, e professora do Departamento de Arte Corporal da UFRJ.

Aula 3 – SEG 30 NOV 

Com Tiago Sant’Anna, artista visual, curador e doutorando em Cultura e Sociedade pela Universidade Federal da Bahia. Seus trabalhos imergem nas tensões e representações das identidades afro-brasileiras, entendendo as dinâmicas coloniais que envolvem a produção da História e da memória. Foi laureado com o Soros Arts Fellowship (2020), vencedor do Prêmio Foco ArtRio (2019) e um dos indicados ao Prêmio Pipa (2018). Participou de exposições nacionais e internacionais como “The discovery what it means to be Brazilian”, na Mariane Ibrahim Gallery, “Rua!” (2020)  e “O Rio dos Navegantes” (2019), no Museu de Arte do Rio, “Histórias afro-atlânticas” (2018), no MASP e Instituto Tomie Ohtake, “Axé Bahia: The power of art in an afro-brazilian metropolis” (2017), no The Fowler Museum e “Reply All” (2016), na Grosvenor Gallery UK. Foi curador-assistente da 3a. Bienal da Bahia (2014). É curador do programa de exposição do Goethe-Institut Salvador.


VISITAS PETROBRAS

1, 8, 22 e 29* NOV
Aos domingos, educadores acompanham grupos de até 8 visitantes para trocar olhares, leituras e significados das produções artísticas.

10h30 – Hélio Oiticica – Cosmococa – Programa in Progress, mostra com imagens do trabalho feito com Neville Dalmeida, além de filmes.

13h30 – Irmãos Campana – 35 Revoluções – A maior exposição já feita sobre a dupla de designers Fernando e Humberto Campana.

15h – Arquitetura do MAM – Visita ao edifício do arquiteto Affonso Eduardo Reidy e jardins do paisagista Roberto Burle Marx.

*Se houver segundo turno no Rio de Janeiro, o museu estará fechado no dia 29 nov e por isso a visita será cancelada.

Agendar visita pelo site: www.mam.rio


PERCURSOS NO MAM

Quintas e sextas-feiras, às 10h e 11h30
Valor único: R$ 360 para até 8 pessoas
Mediação em português ou inglês
Estacionamento incluso

Quer o museu aberto só para o seu grupo? Percursos é uma visita especial e exclusiva, para grupo fechado de no máximo 8 pessoas, realizada antes do horário da abertura do museu ao público. O visitante reserva o horário e monta seu grupo.

Essa visita tem preço diferenciado, dá direito a reserva no estacionamento e acompanhamento de educadores no percurso escolhido. São apenas duas sessões diárias, nas quintas e sextas-feiras de manhã, que seguirão todos os protocolos de segurança sanitária.
Agendar pelo site: www.mam.rio




Acessibilidade | Fale conosco | Imprensa | Mapa do Site