CANÇÃO ENIGMÁTICA

RELAÇÕES ENTRE ARTE E SOM NAS COLEÇÕES MAM

Vista da exposição. Foto Rafael Adorján.

Exposição temporariamente suspensa.

A exposição apresenta 35 obras de 23 artistas. Reunindo pinturas, fotografias, desenhos, vídeo, objetos sonoros, instrumentos musicais, partituras visuais, esculturas, instalações e discos de vinil, a exposição procura inserir o museu na chamada “virada sônica” (“sonic turn”), termo cunhado para designar a mudança gradual de foco do visual para o auditivo, que vem ocorrendo nas práticas artísticas e nos estudos acadêmicos nos últimos anos. Além da exposição nas galerias do MAM Rio, Canção Enigmática ganha um desdobramento fora do cubo branco na forma de uma série de ações performáticas, sempre aos domingos, que, de alguma forma, buscam se relacionar com procedimentos da música experimental, da arte sonora e de outras mídias, como as artes visuais, a dança, e performance.

___

Texto curatorial | versão em PDF

É notório pensar hoje em dia que 4’33” não é simplesmente uma “peça silenciosa”, mas, sim, uma obra cujo objetivo é a escuta do mundo. Em outras palavras, o trabalho mais famoso de John Cage, ao emoldurar sons ambientes e não intencionais, revela-nos através de uma escuta profunda que a música está em todos os lugares; que todos os sons são música.

Partindo de Cage, os sons que ecoam pelo MAM Rio são música. Uma canção enigmática formada por todos os sons ao redor combinados, dentre outros, com batidas do coração, berimbaus high tech, gadgets eletrônicos, sons artificiais, bandas fora de ritmo, orquestras tocando músicas diferentes ao mesmo tempo, o som da chuva e uma ordem em italiano para se fazer um café.

Canção enigmática: relações entre arte e som nas coleções MAM Rio apresenta 40 obras de 28 artistas. As pinturas, fotografias, desenhos, vídeo, objetos sonoros, instrumentos musicais, partituras gráficas, esculturas, instalações e discos de artista presentes na coleção do Museu nos mostram basicamente cenas musicais tiradas do cotidiano, como nas pinturas modernistas de Di Cavalcanti e Djanira, manifestações folclóricas nas quais a música possui caráter essencial, como nas fotografias de Bárbara Wagner inspiradas no maracatu, rituais religiosos afro-brasileiros tal qual em Pierre Verger e no candomblé, e associações diretas com gêneros musicais, como nos retratos de Daniela Dacorso em bailes funk, na influência do samba nos Parangolés de Hélio Oiticica e nas fotografias de Carlos Vergara no desfile do Cacique de Ramos, ou em ícones do porte de Tom Jobim (Cabelo e Márcia X) e Beethoven (Waltercio Caldas). Trabalhos realizados durante a ditadura militar no Brasil, como os de Cláudio Tozzi e Waltercio Caldas, gritam contra a situação opressiva que se instalava naquele momento no país e, infelizmente, soam mais atuais do que nunca. Há ainda um destaque especial para as chamadas partituras gráficas, trabalhos com origem no contexto da música e apreciados por artistas visuais em função de sua característica libertária que vai além da notação musical convencional. Paulo Garcez, Carlos Scliar, Chiara Banfi e, de certa forma, José Damasceno possuem trabalhos nesse contexto.

Canção enigmática procura inserir o MAM Rio na chamada “virada sônica” (sonic turn), termo cunhado para designar a mudança gradual de foco do visual para o auditivo que vem ocorrendo nas práticas artísticas e nos estudos acadêmicos nos últimos anos — graças a implementos tecnológicos e também pela busca em estabelecer novos parâmetros artísticos, o som passou a ser reconhecido e exibido como uma forma de arte em si mesmo. Ainda que não seja uma mostra exclusiva de arte sonora — prática surgida na obscura zona entre música composta, instalação, performance e arte conceitual, e que tem o áudio como componente principal ou que silenciosamente reflete sobre o som —, abraça todo o acervo dessa disciplina artística no Museu, reunindo trabalhos de Chelpa Ferro, Cildo Meireles, Cinthia Marcelle, Manata Laudares, Marcius Galan, Paulo Nenflidio, Paulo Vivacqua e Siri.

Além da exposição nas salas do MAM Rio, Canção enigmática ganha um desdobramento fora do “cubo branco” na forma de uma série de ações performáticas que, de alguma forma, buscam se relacionar com procedimentos da música experimental, da arte sonora e de outras linguagens, como as artes visuais, a dança e performance. Durante seis domingos, essa programação complementar reafirma a ideia da ocupação do espaço público como ato estético e político, questão presente nos encontros realizados por Frederico Morais no início dos anos 70, quando a área externa do MAM Rio e o Aterro do Flamengo foram incorporados como extensão natural do Museu.

Chico Dub
curador

___

Artistas na exposição

Alair Gomes
Anna Maria Maiolino
Bárbara Wagner
Cabelo
Carlos Scliar
Carlos Vergara
Chelpa Ferro
Chiara Banfi
Cildo Meireles
Cinthia Marcelle
Cláudio Tozzi

Daniela Dacorso
Djanira
Emiliano Di Cavalcanti
Glauco Rodrigues
Hélio Oiticica
José Damasceno
Manata Laudares
Márcia X
Marcius Galan
Nelson Felix
Paulo Garcez

Paulo Nenflidio
Paulo Vivacqua
Peter Vogel
Pierre Verger
Roberto Pontual
Rubens Gerchman
Siri
Tony Admond
Waltercio Caldas

___

Ações performáticas

1 dez 2019 | 11h – 18h
Beatriz Ferreyra (AR)
Éliane Radigue x Enrico Malatesta (FR/IT)
André Damião & Gabriel Francisco Lemos (BR)
Maria Noujaim & Savio de Queiroz (BR)
Martina Lussi (CH)
Tim Shaw (UK)

4 e 5 dez 2019 | 17h
Enrico Malatesta (IT)

8 dez 2019 | 11h – 18h
Luigi Archetti (CH)
Tim Shaw (UK)
O YAMA O (JP)
Joaquim Pedro dos Santos & Aleta Valente (BR)
Loïc Koutana x NSDOS x Zorka Wollny (INT)

19 jan 2020 | Cinemateca
16h Weekend, de Walter Ruttmann, 1930, 11′ + Zen form Film, de Nam June Paik, 1965, 8′  + Blue, de Derek Jarman, 1993, 79′
18h O som, ou tratado de harmonia, de Arthur Omar, 1984, 17′  + Desintegration Loop 1.1, de William Basinski, 2002, 63′

2 fev 2020 | locais variados
15h, 15h40, 16h20 e 17h40 Santa Melodica Orchestra, de Andreas Trobollowitsch
17h Dissimilation, de Giuliano Obici (jardim das palmeiras)

16 fev 2020 | Cinemateca
16h Wavelenght, de Michael Snow, 1967, 45′ + Brazil 84, de Phil Niblock, 1984, 77′
18h15 Blight, de John Smith, 1966, 16′ + A Construção do som, de José Carlos Asbeg, 1980, 28′ + Fiorucci Made Me Hardcore, de Mark Leckey, 1999, 15′ + Abalo, de Chiara Banfi, 2019, 30′

___

abertura: 1 dez 2019

Lei de Incentivo à Cultura
Mantenedores do MAM Rio: Itaú, Ternium, Petrobras
Secretaria Especial da Cultura, Ministério da Cidadania, Governo Federal





Acessibilidade | Fale conosco | Imprensa | Mapa do Site