11 - 21 jul 2019

Curadoria Daniel Diaz, Pedro Tavares e Rian Rezende
realização 5D Magic e MAM Rio | parceria Sesc
apoio Abraccine, DAD PUC-Rio, Fiorani Crafts, Instituto Goethe, Konstnarsnamnden, Liquefeito, Ribas, Tao Films e Visiom Digital
festivalecra.com.br

 

Festival Ecrã

Em sua terceira e maior edição o Festival Ecrã, dedicado ao cinema expandido e experimental, apresenta uma ampla seleção da criação audiovisual mundial recente, trazendo ainda 11 instalações. Com investigações sobre a natureza dos tempos, das materialidades, dos afetos e do viver contemporâneo, entre outras aproximações à sensorialidade, à estesia e ao pensar, o festival se firma como uma das mais importantes janelas do país para uma produção eminentemente não-comercial, fazendo a ponte com as artes visuais, sonoras e espaciais contemporâneas.

 

Em julho, o público carioca recebe a terceira edição do Festival ECRÃ, evento dedicado ao cinema avant garde e experimental que acontecerá na Cinemateca, de 11 a 21 de julho. O festival traz em sua programação filmes inéditos no Brasil e também filmes premiados e com selos de importantes festivais pelo mundo como Berlim, Rotterdam, IndieLisboa, Brasília e Tiradentes, entre longas, médias, curtas-metragens e instalações.

Nesta edição, o Festival ECRÃ dobra o número de dias e também o número de filmes. Diretores que já passaram pelo festival estão de volta, como James Benning e seu longa-metragem Leitores, inédito no Brasil e exibido em diversos festivais pelo mundo, incluindo Rotterdam e BAFICI. Benning é homenageado no curta Lendo, Vendo, Benning dirigido por Kevin B. Lee e Chloé Galibert-Lainé.

O diretor Luis Grane retorna ao festival após exibir Pachinko em 2018 para lançar seu novo curta-metragem Far Fa Loo. Luis estará no evento e oferecerá um workshop sobre sua visão da animação para o cinema experimental. Com extensa carreira como responsável pelos efeitos especiais em filmes como Homem-Aranha e Matrix, ele tem se dedicado à direção de filmes experimentais e videoarte.

O diretor argentino Raul Perrone também volta ao ECRÃ com seu novo filme Corsario, que narra uma fantasiosa visita do diretor italiano Pier Paolo Pasolini ao município de Ituizangó. Clarissa Campolina retorna com seu novo longa-metragem Enquanto Estamos Aqui, co-dirigido por Luiz Pretti, selecionado para o festival de Rotterdam. Ele encerra o ECRÃ junto com Protejam Essa Laje, curta dirigido por Gabriel Papaléo que registra os feitos e lacunas do cinema experimental nacional e terá sua primeira exibição pública.

Nomes consagrados como o diretor alemão Heinz Emigolz, Lee Anne-Schmitt e Júlio Bressane estarão no ECRÃ com Anos de Construção, O Expurgo da Terra e Nietzsche Sils Maria Rochedo de Surlej, respectivamente. O filme de Emigholz estreou no último festival de Berlim e é inédito no Brasil. Bressane estará no evento para apresentar seu mais novo filme, dirigido em parceria com Rodrigo Lima e Rosa Dias.

Artistas de outros meios que usam o cinema como extensão de seu trabalho também marcam presença no evento, como é o caso do músico Omar Rodriguez-Lopez, mais conhecido por seu trabalho nas bandas At the Drive-In e The Mars Volta e a referência do movimento musical “vaporwave” batizado de ? ? Corp. Amalia, terceiro filme de Rodriguez-Lopez é um thriller surrealista sobre vingança e Família.Trabalho.Compras., filme de ? ? Corp. é uma visita aos shoppings nos anos 90 filmado em digital e finalizado em VHS. Ambos são inéditos no Brasil.

Os dois grandes vencedores da última edição da Mostra de Cinema de Tiradentes estão na programação do Festival ECRÃ: Negrum3 de Diego Paulino e Vermelha de Getúlio Ribeiro. Com eles, Vaga Carne de Grace Passô e Ricardo Alves Jr., também na seleção. Os diretores estarão no festival para debater seus filmes.

Tendência do festival, mesclar na programação trabalhos de realizadores consagrados com novos diretores: Esses Dias do jovem diretor inglês Andre de Nervaux e Memórias de 02/19 de Luiz Eduardo Kogut homenageiam Jonas Mekas, diretor lituano-americano falecido no início do ano. Já As Esquecidas Cores dos Sonhos, dirigido por Johnny Clyde, e Trovão do Mar, do israelense Yotam Ben-David, mostram o peso da vida e da morte, cada um a seu modo. O destaque vai para a première mundial da grande viagem através do século da imagem dirigida por Eli Hayes chamada Histoire(s) du Temps. O filme é um exercício de arqueologia que segue registros caseiros de 1900 aos anos 1990 com segmentos de 20 minutos, totalizando 206 minutos.

Lembra de Leonardo Martinelli, selecionado para o último Festival do Rio, usa as redes sociais como via para narrar conflitos de uma jovem e é o filme que abre o festival junto com Os Jovens Baumann de Bruna Carvalho Almeida, filmado inteiramente em VHS e selecionado para os festivais de Brasília e IndieLisboa. Completando a sessão, a performance Imbassaí, que usa do corpo e do vídeo para estudar os conceitos do ritmo.

O uso de dispositivos como os celulares e desktop é um assunto que será tratado com máxima atenção, partindo da palestra “McLuhan, midia e materialidade: estendendo o cinema experimental” ministrada pelo professor Wilson Oliveira Filho e participação do realizador canadense Richard Altman, que vem ao ECRÃ apresentar o seu novo filme McLuhan Esnobado: O Cínico Ocidental, feito a partir de gifs, imagens retiradas do Facebook e Instagram, vídeos do YouTube, matérias de jornais e filmes. E aquele que levantou grandes questões sobre o material fílmico será exibido em ação: Jean-Luc Godard enquanto filmava Film Socialisme foi registrado por seu sobrinho Paul Grivas em Filme Catástrofe, uma das atrações do festival.

Junto ao trabalho de Richard Altman outros filmes canadenses compõe a seleção, dando um destaque ao país: Bruce LaBruce, grande referência do cinema gay contemporâneo traz o sci-fi experimental O Cérebro de Ulrike; Brian M. Cassidy & Mélanie Shatzky apresentam Intercâmbio, destaque da edição 2018 do Festival de Berlim; A Visão de Tondal, de Stephen Broomer, selecionado para o festival de Rotterdam, e Sensores de Kent Tate. Todos são inéditos no Brasil, este último tendo sua estreia mundial.

A grande novidade é o espaço exclusivo para as instalações, com obras selecionadas apenas para imersões fora da sala de cinema. Entre as obras estão 365 Dias, Também Conhecido como um Ano do ucraniano Dmitriev Bondarchuk, filme que narra os dias do ano através de trechos de filmes e o espectador poderá escolher a partir de qual dia vai assistir. O lixo eletrônico e o reaproveitamento no mundo de glitches é o tema de Obsolescência Desprogramada do Duo carioca 2×4, que estará no evento para apresentar a obra. Dança Fantasma da inglesa Emilia Izquierdo também terá uma instalação sobre a dança como um ato político.

O diretor austríaco Virgil Widrich ganha um programa especial com seis de seus trabalhos, incluindo o curta-metragem Copiadora, indicado ao Oscar em 2001 e seu último trabalho TX-Reverse (2019). Virgil já ganhou cerca de 130 prêmios internacionais e boa parte de seus filmes são inéditos no Brasil.

O ECRÃ também promoverá debates sobre o processo de pesquisa para cinema experimental com a professora Patrícia Machado, o curador do Festival Dobra Lucas Murai e o crítico de cinema Juliano Gomes. Em parceria com a Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema), o ECRÃ promoverá o lançamento do livro “Trajetória da crítica de cinema no Brasil” e debate com críticos da associação. A entrada para os eventos é gratuita.

O Festival ECRÃ é realizado pela 5D Magic em parceria com o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e tem apoio do Sesc; Tao Films; Estácio de Sá; Abraccine; Ribas-Foto e Vídeo; Fiorani Crafts; Visom Digital.

 

Curadores e diretores Daniel Diaz, Pedro Tavares e Rian Rezende

realização 5D Magic e Museu de Arte Moderna | parceria Sesc | apoio Abraccine, DAD PUC-Rio, Fiorani Crafts, Instituto Goethe, Konstnarsnamnden, Liquefeito, Ribas, Tao Films e Visiom Digital

festivalecra.com.br

 


  Av. Infante Dom Henrique, 85
Parque do Flamengo - Rio de Janeiro

  (21) 3883-5600

  atendimento@mamrio.org.br