Agosto: Cinema Brasileiro Contemporâneo

Em agosto a Cinemateca segue com sua programação online enquanto o auditório Cosme Alves Netto permanece fechado em razão da pandemia

   

Uma questão de fé, documentário sobre a festa de Iemanjá do Mercadão de Madureira até Copacabana, no Rio

Buscamos em primeiro lugar retomar duas ações recorrentes dentro da programação da Cinemateca nos últimos anos, a saber:  a apresentação de pré-estreias e a de colocar filmes em cartaz. Somente em 2019 foram mais de 30 filmes brasileiros apresentados nestes dois formatos na programação regular da Cinemateca. Obras que muitas vezes tem uma circulação limitada aos circuitos de festivais e que dificilmente conseguem entrar no circuito exibidor ou atingir outras janelas comerciais de difusão, mas que mostram a vitalidade e a diversidade da produção audiovisual brasileira.

Nesta perspectiva exibiremos três documentários: Uma questão de fé de Élber Xavier, Animal indireto de Daniel Lentini e Edna de Edna Toledo. O curta documental de Xavier registra a celebração da festa de Iemanjá no Rio de Janeiro, numa trajetória que se inicia no Mercadão de Madureira e segue até a praia de Copacabana. Já os filmes de Lentini e Toledo (que serão apresentados em uma sessão dupla) refletem, de forma extremamente pessoal e delicada, sobre a questão da saúde mental e sobre o cinema como uma possível forma de cura. Temas ainda mais importantes no contexto atual.

Na sequência apresentaremos dois curtas que desdobram as comemorações dos 65 anos da Cinemateca. Realizados no interior da cinemateca, a ficção Valentina e o documentário Juliana na cinemateca são filmes-irmãos que tem no gesto da conservação cinematográfica e no amor pelo cinema e sua memória seus motivos centrais.

Me cuidem-se! (parte VI) de Bebeto Abrantes e Cavi Borges é a última parte de um filme-processo que vem sendo desenvolvido nos últimos meses durante a crise sanitária do Covid-19. Com um sentimento de urgência busca criar um registro sobre o impacto da pandemia e do isolamento social na vida de diferentes pessoas em diversas regiões da cidade do Rio de Janeiro.

Apresentamos também três filmes do coletivo Anarca Filmes, cuja produção audiovisual será toda depositada na Cinemateca do MAM. Migues, Waleska Molotov e Bad Galeto: no Limite da Morte são três obras que representam a experimentação, o engajamento, a criatividade e combatividade do trabalho desenvolvido pelo coletivo que reúne artistas e pensadoras LGBTQI+. A Cinemateca tem por missão a preservação do patrimônio audiovisual tanto do passado como do presente. A coleta sistemática da produção contemporânea é algo fundamental para a constituição do patrimônio que as próximas gerações terão acesso. E, por mais estranho que possa parecer para um grande público, é justamente a produção audiovisual contemporânea aquela que se encontra mais vulnerável, tanto pelo volume dessa produção, quanto pelos desafios que as tecnologias digitais impõe para sua correta conservação. Por fim apresentamos uma sessão especial em parceria com o Recine – Festival Internacional de Cinema de Arquivo que este ano acontecerá de forma online. Criado em 2002, o Recine é um parceiro regular da Cinemateca, e tem por objetivo divulgação de obras realizadas com materiais de arquivo e a valorização do trabalho de preservação do patrimônio audiovisual. A Cinemateca vai exibir o documentário Cacaso na corda bamba de José Joaquim Salles e Ph Souza, vencedor do festival em 2016.



Acessibilidade | Fale conosco | Imprensa | Mapa do Site