17 de abril de 2020


Chamada aberta internacional
Direção Artística
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

Maio 2020

1. Apresentação
2. Sobre o MAM Rio
3. Sobre as coleções do MAM Rio
4. Critérios de seleção
5. Dinâmica e cronograma

SOBRE AS COLEÇÕES DO MAM RIO 

O MAM Rio tem um dos mais importantes acervos de arte moderna e contemporânea da América Latina, com pinturas, desenhos, gravuras, fotografias, esculturas, vídeos, instalações, objetos, performances, livros de artista e intervenções. Também possui um importante acervo de documentação especializado em arte moderna e contemporânea, e sua Cinemateca gere o maior acervo de documentação de cinema do país, além de um dos maiores acervos de filmes da América Latina.

O acervo de artes visuais é formado por coleções de procedências diversas: o acervo próprio do museu -criado com doações e aquisições, e refeito após o grande incêndio no Bloco de Exposições em 1978, que destruiu cerca de 50% das obras −, e os comodatos das coleções Gilberto Chateaubriand e Joaquim Paiva.

Entre os artistas estrangeiros, as coleções contam com obras de Constantin Brancusi, Alberto Giacometti, Auguste Rodin, Marino Marini, Maria Helena Vieira da Silva, Jean Arp, Alexander Calder, Carlos Cruz-Diez, Ansel Adams, Diane Arbus, A. R. Penck, Gerhard Richter, Josef Albers, Victor Vasarely, César, Keith Haring e Andy Warhol, entre muitos outros. 

Entre os brasileiros estão Anita Malfatti, Cícero Dias, Maria Martins, Candido Portinari, Ivan Serpa, Bruno Giorgi, Amilcar de Castro, Franz Weissmann, Hélio Oiticica, Lygia Clark, Antonio Dias, Hércules Barsotti, Willys de Castro, Anna Bella Geiger, Rubens Gerchman, Artur Barrio, Cildo Meireles, Waltercio Caldas, Antonio Manuel, Nelson Leirner, Regina Silveira, Tunga, Carlos Vergara, Márcia X, Beatriz Milhazes e Adriana Varejão.

Acervo Museu de Arte Moderna
(c. 6.600 obras)
Reúne, em sua maioria, obras internacionais, além de importantes obras de artistas brasileiros. Formado a partir de aquisições do museu e por obras que sobreviveram ao incêndio de 1978, este acervo também conta com doações de artistas ou seus familiares; doações de particulares (como por exemplo a coleção de Esther Emilio Carlos); além de aquisições via patrocínio de editais ou leis de incentivo, como Petrobras e  White Martins, respectivamente.

Coleção Gilberto Chateaubriand
(c. 6.630 obras)
Em comodato desde 1993, esta coleção permite formar um panorama quase completo da produção artística brasileira, desde o modernismo, passando pelas fortes transformações nas décadas de 1950, 1960 e 1970, até as mais recentes manifestações da produção contemporânea. 

Coleção Joaquim Paiva
(c. 1.840 obras)
Em comodato desde 2005, é dedicada exclusivamente à fotografia. O conjunto de obras de fotógrafos e artistas de diferentes gerações e nacionalidades revela um significativo panorama da história da fotografia, desde suas vertentes mais documentais ou artísticas até a presente era da imagem digital.

Acervo Cinemateca do MAM
(c. 70 mil rolos de filmes, 80 mil em base videomagnética e mídias óticas, 2,5 milhões de itens documentais)
Como um dos mais antigos, vastos e importantes arquivos audiovisuais da América Latina, a Cinemateca do MAM possui diversificado acervo acumulado em 65 anos de atividade de preservação e difusão. É o maior centro de documentação e pesquisa do país especializado em cinema, com 2.500.000 de itens documentais. Mantém em comodato significativas e raras coleções de filmes, com destaque para a filmografia brasileira, incluindo o filme brasileiro mais antigo preservado, “Reminiscências”, de Aristides Junqueira, cujas imagens remontam a 1909. São mais de 70.000 rolos em 35mm e 16mm, e cerca de 80.000 em base videomagnética analógica e digital e em mídias óticas. Como arquivo filiado à Federação Internacional de Arquivos de Filmes – FIAF, a Cinemateca desenvolve intercâmbio com mais de 200 instituições ao redor do mundo, programa uma sala de exibição para vários padrões tecnológicos antigos e recentes, incluindo exibição de filmes silenciosos e com acompanhamento musical ao vivo, apresenta exposições, prospecta peças para sua coleções especiais de equipamentos e participa dos grande eventos do calendário cultural carioca e brasileiro, como festivais, congressos, cursos e encontros, sempre conjugando a conservação com a formação educacional ampla e a promoção do patrimônio cultural brasileiro e mundial. As atividades da Cinemateca são públicas e gratuitas.

Acervo de Pesquisa e Documentação do MAM
(c. 220 mil documentos, 31,5 mil publicações, 618 títulos de periódicos)
A Pesquisa e Documentação tem um acervo especializado em arte moderna e contemporânea, formado por cerca de 220 mil documentos (fotos, folders, cartazes, convites, cartas, releases e recortes de jornais), 31.500 publicações (livros e catálogos) e 618 títulos de periódicos. O setor reúne importantes fontes para fundamentar estudos em artes visuais, subsidia o trabalho de pesquisa do próprio museu e dá acesso a informação a pesquisadores externos, como curadores, especialistas, pesquisadores independentes, universitários e pós-graduandos.

___

Dúvidas:
FAQ – Perguntas frequentes
Email – chamada.aberta@mam.rio

Retorne  Avance